A Ancine divulgou, recentemente, o Anuário Estatístico do Cinema Brasileiro 2015 (pode ser acessado aqui), onde são analisados os principais dados sobre o cinema nacional. Inspirado por essa publicação, resolvi fazer uma análise da performance dos títulos nacionais conforme seu gênero.

A Ancine classifica o gênero dos filmes apenas em Ficção, Documentário, Animação e Vídeo Musical. Senti falta de uma análise mais detalhada dos gêneros dentro da ficção. Intuitivamente, podemos dizer que uma comédia tem uma performance muito diferente de um drama, por exemplo.

Sendo assim, com a ajuda dos sites Filme B e Adoro Cinema, reclassifiquei o gênero de 133 lançamentos de 2015. Considerei produções e co-produções brasileiras (essa minha classificação diverge da Ancine, que só considera produções nacionais aquelas cujo direito patrimonial é majoritariamente brasileiro).

Os gêneros que listei foram:

GÊNERO NÚMERO DE TÍTULOS EXEMPLOS
Ação 2 Operações Especiais, Entrando numa roubada
Comédia 22 Loucas pra casar, Carrossel – O filme
Comédia Romântica 2 Bem casados, Ninguém ama ninguém por mais de dois anos
Drama 45 Que horas ela volta?, Chatô: o rei do Brasil
Documentário 53 Chico – Artista Brasileiro, O Sal da Terra
Romance 3 Ponte Aérea, Muitos homens num só
Suspense/Terror 6 A floresta que se move, O amuleto
TOTAL 133

Ficaria difícil comparar a performance dos filmes apenas considerando o público total atingido porque deveríamos levar em conta, por exemplo, que a comédia Loucas pra casar foi lançado em 604 telas, enquanto o drama Obra, em apenas 10. Sendo assim, criei um índice que combina o público total do filme e o número de telas na semana de lançamento e compara a média geral de todos os filmes lançados (se quiser saber mais sobre a metodologia, escreve pra mim!).

A ideia do índice é muito simples, quanto mais próximo de 0 (zero), mais próximo da média geral. Assim, podemos ver quais filmes e gêneros performaram acima ou abaixo da média.

Lembrando que os dados utilizados são de 2015 apenas, portanto, não podemos usar os resultados como uma regra e dizer que os filmes e gêneros sempre terão esse tipo de desempenho. É apenas uma análise utilizando o cenário de 2015. Se vocês acharem interessante, podemos fazer o mesmo para 2016.

COMPARANDO OS GÊNEROS

Primeiramente, vamos falar da média geral de desempenho de um lançamento nacional: segundo os dados divulgados pela Ancine, um filme brasileiro, independentemente do gênero, poderia esperar um público total ao final do período em cartaz, em média, de 2.349 pessoas por sala na semana de lançamento. Isto é, se um filme fosse lançado em 10 salas, ele atingiria, ao final do período em cartaz, em média, um público de 23.490 pessoas.

Isso, obviamente, não corresponde a realidade dos lançamentos nacionais, que contemplam blockbusters como o Loucas pra casar, com 3,7 milhões de espectadores e filmes muito pequenos, como o drama Onde borges tudo vê, que fez apenas 11 espectadores.

O gráfico a seguir mostra, por gênero, quão distantes desta média estiveram os lançamentos do ano de 2015. Para facilitar a análise, pense o seguinte: quanto mais próximo de 0, maior a probabilidade de um lançamento daquele gênero atingir a média de público total de 2.349 espectadores ao fim do período em cartaz por sala na semana de lançamento.

performance_genero_2015

Podemos constatar o que já era esperado. As comédias foram as únicas que tiveram uma performance acima da média geral dos lançamentos.

Observando os outros gêneros, as comédias românticas e os documentários foram os que tiveram desempenho mais próximo da média geral.

Uma constatação interessante é que os filmes de ação lançados em 2015, tiveram uma média de salas de lançamento muito próxima das comédias (280,5 e 283,59, respectivamente). No entanto, o desempenho dos filmes de ação foi abaixo da média geral.

Importante relembrar que esse indicador não determina se o gênero teve uma boa ou má performance. O que ele mostra é que uma comédia lançada em 2015 teve mais probabilidade de desempenhar acima da média de todos os lançamentos nacionais do que qualquer outro gênero.

Como estamos observando apenas o desempenho dos filmes em um ano e não estamos levando em conta diversos outros fatores importantes, como verba de marketing, elenco, crítica, prêmios, etc. não podemos levar essa análise como uma regra. Entretanto, ela pode abrir diversas discussões estratégicas sobre o que produzir e como comercializar filmes brasileiros.

Algumas perguntas sem resposta (ainda) para vocês refletirem:

  • Os gêneros Ação, Romance e Suspense/Terror tiveram pouquíssimos lançamentos em 2015 em comparação aos outros gêneros. Qual seria a performance desses gêneros se tivéssemos produzido e lançado mais longas?
  • Um documentário tem, normalmente, um orçamento muito menor do que uma ficção. Entretanto, sua performance foi mais próxima da média do que os gêneros Ação, Drama e Suspense. Seria possível então que, mesmo com um desempenho menor que a média, os documentários gerassem um resultado final para o produtor maior do que esses outros gêneros?

Nas próximas semanas, vamos olhar as performances dos filmes dentro de cada um dos gêneros!

Valeu pessoal; esse foi meu primeiro post.

Se você gostou, compartilha; se não gostou, me conta por que e posso melhorar os próximos; se ficou com dúvida, escreve pra mim; se quiser minha ajuda pra planejar, revisar ou melhorar a gestão da sua produtora ou projeto, escreve pra mim também!

Beijos e abraços!!

Anúncios